SIIEPE UFPel 2017: PET Educação presente!


Iniciou hoje, 20 de novembro de 2017, a participação do PET Educação no SIIEPE UFPel 2017. Com o trabalho da Gabriela Amaral no CEC às 16:50, o PET intenciona informar à comunidade acadêmica o que faz em pesquisa, ensino e extensão na UFPel. Acompanhe o calendário de apresentações e fique atento às salas e aos horários. Um excelente SIIEPE a todos!
Leia, a seguir, os resumos aprovados, em ordem de apresentação nos Eventos que integram o SIIEPE UFpel 2017:

1. NOVOS​ ​CAMINHOS: ​ ​ENSINO-APRENDIZAGEM
GABRIELA AMARAL LEAL
Resumo: O objetivo primordial do Projeto de Extensão Novos Caminhos é proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas com síndrome de Down (SD) através da inserção, qualificada, em atividades sociais que exijam práticas de leitura e escrita. Compartilhamos com FREIRE (1983) que “A leitura de mundo precede a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele.” A partir dessa ideia de Freire, nós professores-aprendizes do Projeto, fazemos a relação entre Alfabetização - aqui entendida como o conhecimento do sistema alfabético, o domínio do processo de leitura e escrita de palavras, e o Letramento - “viver na condição ou estado de quem sabe ler e escrever” (SOARES, 1998), ou seja, utilizar esse conhecimento em sua vida diária, contribuindo para o entendimento do mundo. Nesse sentido, segundo a autora, Letramento diferencia-se de alfabetização, pois abarca o dado a inserção do indivíduo ou grupo alfabetizado no conjunto das práticas sociais de leitura, ao passo que a alfabetização restringe-se aos atos de codificação e decodificação de um código (SOARES, 1998). Almejamos, assim, não só alfabetizar, como também aprofundar a condição de letramento de cada aluno do projeto. Uma ação não necessariamente anda junta com a outra, pois podemos ter alunos letrados, que participam de práticas letradas, mas que não estão alfabetizados. No projeto, além de proporcionarmos atividades de alfabetização, também oferecemos práticas de letramento e de leitura de mundo, como a hora da leitura, a procura de produtos em catálogos, a orientação por mapas de ruas, consulta a manuais de instalação, a discussão de temas como inclusão, maioridade penal, etc. Para a efetivação desse objetivo são oferecidas aos jovens atividades pedagógicas (leitura, escrita, conhecimentos matemáticos, históricos e geográficos), oficinas de teatro e música. O Projeto Novos Caminhos teve início em 2007 com apenas uma turma de alunos já alfabetizados. Em 2009 foi aberta uma nova turma para pessoas com deficiência e que não estavam alfabetizadas. Os resultados do desenvolvimento desse trabalho têm sido observados em diversos aspectos além dos pedagógicos. Obtivemos avanços estágios de aquisição da escrita, no raciocínio lógico, na linguagem oral. Outro resultado, esse referido pela família dos jovens, é o fato de terem melhorado a autoestima, a autonomia e a socialização.
Como objetivo mais abrangente temos o desenvolvimento da qualidade de vida de pessoas com síndrome de Down e pessoas com deficiência, com o intuito de aprimorar o convívio social e elevar a autoestima. Para que esse objetivo se concretize traçamos alguns específicos, como: inserir os alunos no mundo da escrita, seja através da alfabetização propriamente dita, seja através de oportunidades de reflexões sobre a escrita; desenvolvimento de cálculos; orientação espacial-geográfica, conhecimentos estes que julgamos colaborarem para a efetivação do objetivo maior. Neste trabalho relataremos a experiência nas duas turmas deste Projeto. População alvo Os participantes do projeto são jovens e adultos com Síndrome de Down e Deficiência Intelectual. A turma começou com 15 alunos, e hoje conta com 12 participantes. A maioria deles frequenta, também, outros projetos de extensão da Universidade, como o Projeto Carinho/ESEF.
Os acadêmicos organizam-se, preferencialmente, em duplas, preparam o material, as atividades, submetem à sua coordenação e então desenvolvem as atividades propostas. A cada dia é uma dupla de professores-aprendizes diferentes. As reuniões semanais para preparo de atividades, discussões sobre o percurso e avaliação do trabalho são de fundamental importância para o bom andamento das aulas de forma que haja, assim, uma linha a ser seguida, uma continuidade. Atualmente são sete acadêmicas(os) do curso de Pedagogia, uma mestranda em Educação e um licenciado em Teatro, atuando como professores-aprendizes nesse projeto de extensão que é realizado nas dependências da Faculdade de Educação. A equipe conta também com uma Psicopedagoga e uma coordenadora. Toda esta equipe reúne-se semanalmente para proposição de atividades, avaliação, planejamento e troca de experiências. Há duas turmas: uma de Alfabetização e outra, conhecida como Avançado, já alfabetizada. As aulas do Projeto acontecem três vezes na semana (nas segundas, quartas e sextas-feiras), das oito horas e trinta minutos até onze horas e trinta minutos.
O Projeto sempre primou por elaborar um tema, projeto de ensino a ser aplicado com ambas as turmas para garantir a interação entre elas e também entre os professores-aprendizes, sempre possibilitando o trabalho em conjunto. Exemplo, se o tema for “alimentação saudável”, a turma de Alfabetização se encarrega em investigar o universo letrado que envolve hábitos saudáveis com relação à alimentação e dessa forma, tentar compreender a significação do sentido atribuído a este meio, então apresentado. Já a turma do Avançado (cujos alunos já são alfabetizados), trabalha o mesmo tema, mas por outros meios, dedicando mais atenção à questão biológica, química do processo de alimentação; pesquisando e entendendo os benefícios de cada alimento e como eles reagem em nosso organismo, por exemplo. Cumpre ressaltar que, certo dia, os alunos da turma de Avançado, se reuniram e solicitaram à coordenadora do Projeto, que queriam ser preparados para realizar a prova do ENCCEJA (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos), pois todos almejavam entrar em uma faculdade e concluí-la. Essa proposta foi encaminhada à reunião pedagógica semanal para ser discutida em grupo e, prontamente, foi aceita por toda a equipe. Um caso marcante que é válido ressaltar, foi a proposta para ambas as turmas, que como estavam trabalhando e discutindo o tema “Vida Saudável” nós, como professores-aprendizes, concordamos em focalizar nosso trabalho no interpretação, seja de imagens, vídeos, textos, pois notávamos muita dificuldade dos alunos nessa questão. Pensando nesse objetivo e no tema sendo trabalhado, concordamos em passar o filme “Wall-e” da Disney, pois ele atendia aos seguintes requisitos: abordava a questão de sustentabilidade, alimentação saudável, poluição e também por ser tratar de um filme de ação com poucas falas e dessa maneira aumentando a possibilidade de maior nivelamento entre as turmas com a finalidade de explorar a capacidade de interpretação, no caso, do filme com os alunos. Em suma, essa atividade proporcionou-nos um retorno riquíssimo, pois alguns dos alunos que apresentavam muita dificuldade em interpretar pequenos vídeos ou até mesmo frases curtas oralizadas, surpreenderam-nos ao contarem e explicarem sobre o que se tratava o filme, qual a sua ideia principal e também respondiam a todos os questionamentos provocados por nós, professores-aprendizes, até mesmo se gabando em alguns momentos alegando que nossas provocações eram todas óbvias, ou seja, comprovou clareza na compreensão global do filme e inclusive se atentaram a muitos detalhes também e melhor ainda, não se contentaram com todas as informações apresentadas no filme, ficaram intrigados, levantaram alguns questionamentos e passaram a questionar, problematizar algumas situações e, enfim, a nos provocar com algumas perguntas, dúvidas essas surgidas de reflexões advindas da real compreensão do filme em si.
Avaliação: A comunidade atendida participa do projeto de extensão dando sugestões, avaliando, colaborando. Os avanços alcançados pelos alunos vão além dos previstos pedagogicamente: envolvem questões de cidadania, autonomia, autoestima, alegria de viver e o sentimento de fazer parte. Há que se destacar ainda, os ganhos para os professores-aprendizes uma vez que são confrontados com situações desafiadoras em termos de processos de ensino-aprendizagem, tendo, assim, de pensar maneiras de mediar esse processo em busca da real aprendizagem. Além disso, os professores-aprendizes computam as horas ministradas no projeto na sua grade curricular como atividades complementares.
REFERÊNCIAS:
FREINET, C. As técnicas Freinet da Escola Moderna. Lisboa: Editorial Estampada Ltda, 1975.
FREIRE, P. A importância do ato de ler em três artigos que e completam. São Paulo: Autores Associados/Cortez, 1983.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. (Coleção Linguagem e Educação).

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. 7ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007

No Manantial: PET Educação presente na Feira do Livro

Integrando as atividades da Feira do Livro de Pelotas, o GELL - Grupo de estudos em Leitura Literária apresentou, no sábado, dia 04/11, o Espetáculo No Manantial, leitura teatralizada de um conto de João Simões Lopes Neto.
Conhecido como um dos “contos gauchescos” do escritor pelotense, o escolhido para a leitura ao público foi extraído da obra “Contos gauchescos e Lendas do Sul, de JSLN”, edição crítica de Aldyr Garcia Schlee e editada pela IEL/Unisinos.
O espetáculo, que ocorreu entre as 19 e as 20 horas do sábado no salão principal do Museu, foi preparado pelo GELL – Grupo de Estudos em leitura literária da Faculdade de Educação da UFPel e é apoiado pelo PET Educação. Será encenado ainda nos sábados de 11 e 18 de novembro.
Depois da Primavera dos Museus e um intenso Outubro Literário em comemoração ao mês da criança, a Sala de Leitura Erico Verissimo integra-se às atividades da UFPel na Feira do livro de Pelotas.
Sediada no Museu do Doce – Centro histórico de Pelotas, a sala de leitura oferece Leituras literárias para escolas, o Espetáculo No Manantial, de João Simões Lopes Neto, lançamentos de livros e palestras vinculadas à leitura e à literatura
O GELL e o PET Educação integrarão, também, entre os dias 6 e 9 de novembro, o 1º Congresso de Gênero e Diversidade Sexual da UFPel, apresentando o trabalho “Leitura para meninas: um punho e um útero”, de autoria da professora Cristina Maria Rosa e disponível em 
http://crisalfabetoaparte.blogspot.com.br/2017/05/leitura-para-meninas-um-punho-e-um-utero.htmlA lista de livros mencionada na pesquisa e o contato com eles poderá ocorrer nos dias 06 e 07, à tarde, na Sala da Leitura situada no Museu do Doce.

Acompanhe a programação e venha ao Museu!
Data
Evento
Local e Responsável
03/11
Sexta
Ensaio Espetáculo “No Manantial”, da obra de João Simões Lopes Neto
GELL – Grupo de Estudos em Leitura Literária
04/11
Sábado
16h: Leitura literária
19h: Espetáculo “No Manantial”
Grupo de Estudos em Leitura Literária –
Museu do Doce/ GELL
06/11
15-17h: Leituras para meninas no 1º Congresso de Gênero e Diversidade Sexual da UFPel
Sala de Leitura no Museu do Doce.
Alessandra, Cinara e Rose.
07/11
15-17h: Leituras para meninas no 1º Congresso de Gênero e Diversidade Sexual da UFPel.
Sala de Leitura no Museu do Doce.
Cinara, Rose e Tamires. 
08/11
9-11h: Leitura literária
15-17h: Leitura literária
Museu do Doce. Cláudia e Alessandra.
Museu do Doce Cinara, Rose e Tamires.
09/11
9-11h: Leitura literária
15-17h: Leitura literária
Museu do Doce. Erica e Leonardo.
Museu do Doce – Cinara, Rose e Tamires
10/11
9-11h: Leitura literária
15-17h: Leitura literária
Museu do Doce – Rafaela e Juliana.
Museu do Doce – Cinara, Rose e Tamires.

11/11
Sábado
9h: Leitura literária
16-18h: Leitura Literária 
19h: Lançamento do livro “Filósofo Suicida” 19h: Espetáculo “No Manantial”
Escola Nº Sª das Dores. Rafaela e Ângela.
Museu do Doce - Érica, Leo e Márcia.
Feira do Livro. Autor: Leonardo Andrade

Sala de leitura – Museu do Doce
13/11
20h: Espetáculo “No Manantial”

Escola Joaquim Assumpção
Cristina Rosa e Rafaela Camargo.
15/11
10-17h: Feira de Extensão e Cultura da UFPel em Piratini, RS.
Piratini, RS – GELL
16/11
8h: Cristina Rosa: Patrona da Feira do Livro da Escola Adventista.
Auditório da Escola Adventista. Rua: Almirante Barroso, 3008. Pelotas, RS
17/11 - Sexta
10h: Feira das Profissões UFPel.
15h: Conferência Maus-tratos emocionais e violência “benévola”: O que a literatura tem a nos dizer sobre o tema?
Largo do Mercado – GELL e PET Educação
Auditório do Museu do Doce – Centro Histórico
Drª. Cristina Rosa e Drª Jane Felipe
18/11
Sábado
16-18h: Leitura literária
18h: Lançamento do livro Contos de Infância
19h: Espetáculo “No Manantial”
Sala de Leitura
Museu do Doce – Centro Histórico
Museu do Doce – Centro Histórico
21, 22, 23, 24 e 25/11

15 às 18: Leitura literária
Sala de Leitura no Museu do Doce – Centro Histórico
GELL: Grupo de Estudos em Leitura Literária
28, 29, 30/11
15 às 18: Leitura literária
Sala de Leitura no Museu do Doce – Centro Histórico/GELL

Pedagogia FaE/UFPel: alguns dados

PEDAGOGIA fAe/ufpEL

Grau: graduação / licenciatura
Modalidade: Presencial
Turno: Vespertino
Código ufpel 1900
Código e-mec 14987
Unidade: Faculdade de educação

Criação e reconhecimento
Curso criado pela portaria 216 de 1976.
Curso reconhecido pela Portaria nº 092 de 08/03/1984. Publicada no D.O.U. de 09/03/1984.
Renovação do reconhecimento pela Portaria nº 1097 de 24/12/2015. Publicada no D.O.U. de 30/12/2015.

Semana “Ler não entra em recesso”: PET Educação apoia!

Apoiada pelo PET Educação, a Sala de Leitura Erico Verissimo (FaE/UFPel) estará desenvolvendo uma série de eventos no recesso do calendário da UFPel. Acompanhe a agenda do GELL – Grupo de Estudos em Leitura Literária – e participe dos eventos.

Aniversário
A sala de leitura Erico Verissimo completará dois anos em 17 de dezembro de 2017 e prepara um curso especial de formação de professores para a primeiríssima infância (zero a três anos). Confira aqui, mais tarde, as informações a respeito e reserve sua vaga.

O GELL
Ofertando formação através de diferenciadas, constantes e impactantes micropolíticas, o GELL tem como foco a formação do leitor literário. Por isso, dialogar com professores que atuam nas escolas públicas em Pelotas e região é preponderante, uma vez que são eles que estão nas escolas com as crianças todos os 200 dias letivos do ano escolar e o que os professores leem ou deixam de ler impacta profundamente a história do leitor. De cada um deles.


Semana “Ler não entra em recesso”.
29/08 – Reunião preparatória para o curso de formação de professores a ser desenvolvido no sábado, dia 02. Foco: Apresentar autores e suas obras para os professores, demonstrar nosso encantamento com os livros e a leitura, afirmar a importância da leitura para crianças na escola e indicar possibilidades de trabalho com autores diferenciados. Local: Mercado Central, 18 horas;

30/08 – Publicação no Blog da Sala de leitura Erico Verissimo dos resultados da pesquisa “A professora, o aluno e os ovos” te representa? A investigação informal e seus resultados integram a formação das estudantes de Pedagogia que é intitulada “Pensando sobre a Profissão” e foi desencadeada em 01 de agosto de 2017 pelo PET Educação. Disponível em: http://crisalfabetoaparte.blogspot.com.br/2017/08/a-professora-o-aluno-e-os-ovos-te.html

31/06 – Leitura na Escola
Leitura da obra A Zeropéia, de Herbert de Souza, para as crianças da EMEI Ruth Blank. Local: Na escola, manhã e tarde;
Leitura da Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato para os quintos anos da Escola Fernando Treptow. Manhã, na Biblioteca da escola.

01/09 – Leitura Literária
Leitura de Contos de Horror para os nonos anos da Escola Fernando Treptow. Manhã, na Biblioteca da escola.

02/09 - Curso de Formação de professores em leitura literária para os docentes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Antonio Joaquim Dias. Local e data: Sábado, 9 às 11 horas nas dependências da escola.